Selena Gomez dá pausa na carreia para tratar distúrbios. Chegou a hora de falar sobre depressão

Foto: Reprodução Facebook 
Na última terça-feira (30), Selena Gomez, que estava em turnê mundial com a “Revival”, anunciou que vai dar um tempo na carreira para tratar depressão, ataques de pânico e até mesmo a ansiedade, problemas decorrentes do lúpus, descoberto há um ano. Em um comunicado oficial, a cantora desabafou:

“Como muitos sabem, há mais ou menos um ano eu revelei que eu tinha lúpus, uma doença que pode afetar pessoas de diferentes formas. Eu descobri que ansiedade, ataques de pânico e depressão pode ser efeitos de lúpus. Por isso, agora preciso focar na minha saúde e minha felicidade. Por isso, eu decidi que a melhor maneira de fazer isso é tirar um tempo de folga. Obrigada a todos os meus fãs pelo apoio. Vocês sabem como são especiais para mim, mas eu preciso encarar isso para ter certeza que fiz o melhor que pude. Eu sei que não estou sozinha e dividindo isso, eu espero que outros assumam seus próprios problemas.”

A depressão, enfrentada pela cantora, também pode estar presente na vida de muitos adolescentes. Mas os sinais podem se manifestar de formas diferentes do adulto. Além da alteração do humor e redução da energia e do interesse nas atividades diárias, pode ocorrer a presença de irritabilidade frequente. Falta de vontade de ver os amigos, crises emocionais e perda de concentração também podem surgir”, explica a psicóloga Camila Beltrame Benedicto.
O problema, que muitas vezes é encarado como passageiro, é sério e precisa de tratamento imediato. Assim que os sintomas forem identificados, é ideal procurar a ajuda conjunta de um psiquiatra e de um psicólogo. Ambos indicarão os melhores caminhos a serem percorridos. “Quanto mais tempo a pessoa demorar para buscar ajuda, mais sua rotina pode ser prejudicada”, avisa Camila

Para saber mais:
Lúpus
O problema desenvolvido por Selena Gomez há cerca de um ano – e provável motivo da depressão  — é uma doença na qual o sistema imunológico ataca as células do organismo, acreditando que elas são invasoras,  assim como fungos e bactérias. O lúpus pode atingir todas as partes do corpo, afetando, principalmente, pele, articulações, rins, cérebro, dentre outros órgãos. Não se sabe exatamente a causa desse comportamento anormal, mas pesquisas apontam que a doença pode ser causada pela combinação de fatores, como genética e ambiente.
Síndrome do pânico
A doença é conhecida por ataques intensos de medo. “A síndrome do pânico é uma doença psiquiátrica que faz com que o indivíduo tenha uma série de episódios de extrema ansiedade. Esses eventos podem perdurar por alguns minutos ou até mesmo horas seguidas. Durante a crise, os sintomas podem variar de intensidade e características. O paciente com pânico sente, normalmente, rapidez dos batimentos cardíacos, sudorese, medos incontroláveis, como o medo de morrer, angustia de sair de casa, de perder os entes queridos, de trabalhar, desespero de andar na rua sozinho, entre outros”, frisa o psiquiatra Leonard Verea.
#STAYSTRONGSELENA


Consultoria Camila Beltrame Benedicto; Leonard Verea, psiquiatra, autor do livro “Eu não SOU assim, ESTOU assim”

Viagem #eufui – Paris

A estudante Marina Machuca tinha um sonho antigo: conhecer Paris! Desde criança se imaginava ao lado da Torre Eiffel, tomando um Sol no parque…lia tudo quanto era livro sobre o lugar.
Até que um dia ela resolveu comprar as passagens, pegar suas malas e partir sozinha para a Europa! Dá para acreditar?

 Mari contou para a gente como foi essa experiência mais do que incrível! E aí, você teria coragem?

“Acredito que todo mundo tem um lugar dos sonhos, um lugar que faz os olhos brilharem e o coração vibrar. O meu sempre foi Paris. Nos últimos anos esse desejo ficou tão forte que decidi fazer de tudo para realiza-lo, mesmo que fosse sozinha. Como a grana sempre foi pouca, cortei pequenos luxos, passei MUITOS finais de semana em casa, estipulei metas de quanto economizaria por mês e fiquei de olho em promoções de passagens aéreas. Em dezembro do último ano, o destino me deu uma mãozinha e consegui comprar as tão sonhadas passagens.

Tive cerca cinco meses para organizar tudo. Mesmo sendo uma viagem curta, esse tempo foi essencial, já que seria minha primeira viagem para fora do país e ainda mais sozinha! Sempre pensando em economizar, resolvi me hospedar em um hostel. Um albergue onde você divide o quarto e banheiro com outras pessoas e é bem mais barato do que um hotel convencional. Pode parecer desconfortável, mas conhecer gente de todos os cantos do mundo e fazer amizades também é uma experiência incrível. É importantíssimo saber tudo sobre o lugar onde vai ficar. Localização, atendimento, o que você tem ou não direito. Grupos no Facebook e sites de classificação ajudam muito!

Pesquisei sobre como me alimentar, locomover e me virar de forma geral na cidade. Em Paris, na verdade em muitos lugares da Europa, o metrô é a forma transporte mais utilizada. Vale fuçar na internet sobre as estações e como usar e comprar os bilhetes. E claro, fiz o querido roteiro com todos os lugares que gostaria de visitar. Foi ótimo ter pesquisado sobre cada lugar e como chegar até ele, deixou a viagem mais fácil e consegui fazer tudo o que queria. Dica: reserve um dia para andar sem rumo e deixar o destino te surpreender. 😉

Finalmente o tão sonhado dia chegou. No avião bateu um medo danado de estar sozinha em outro continente, mas assim que vi a cidade desaparecer e percebi que o sonho estava virando realidade, fiquei tranquila e aproveitei cada segundo daquele sentimento indescritível. Quando saí do metrô e vi a cidade, foi quase impossível segurar a emoção.

+Viagem #eufui: Balneário Camboriú

Paris é uma cidade grande, movimentada e é preciso estar sempre atento aos pertences e direções. Mas, de uma forma geral, não é difícil se virar. Se você não fala francês e arranha no inglês como eu, pode acreditar, não terá problemas, mas palavrinhas de educação como “bonjour”, “pardon” e “merci” podem fazer toda a diferença na hora de comprar algo ou pedir informações.

Estar sempre com o passaporte em mãos, mapa do metrô, não dar bobeira com o celular e câmera são dicas valiosas de sobrevivência. Se a grana é curta, eu tenho uma notícia boa: comer em Paris pode ser barato! As famosas baguetes, sanduíches e crepes não pesam no bolso e saciam a fome gigante de turista. Além da vantagem de poder levar a comida para um parque ou praça e comer observando a cidade. Comprar lanchinhos nos mercados também é uma dica de ouro.

Seja qual for o seu tipo de roteiro, não deixe de ir até a Torre Eiffel, o maior símbolo de Paris e aproveitar uma tarde de bobeira nos gramados em volta. O Louvre, é claro, também merece uma visitinha, nem que seja para ver apenas as principais obras como a Monalisa e A Liberdade Guiando o Povo. Acredite, o museu é gigantesco! Ver a cidade do alto do Arco do Triunfo também é incrível, assim como caminhar pelo charmoso e extremamente parisiense bairro de Montmartre.

Viajar sozinha pode até ser perigoso, mas o segredo é se preparar, pesquisar muito, ficar tranquila e claro, se vestir de coragem! Posso dizer que minha viagem foi perfeita do início ao fim e vivi os melhores dias da minha vida mesmo sozinha. Não me arrependo de nada e cada esforço e economia valeram a pena!

Paris é uma cidade mágica. Voltei para casa com sonhos renovados, vontade de aprender francês e um desejo ainda maior de conhecer todo esse mundão.”

Fotos: Arquivo Pessoal

Dicas para economizar energia

Em tempos de crise a regra é economizar!

Se você ajuda a deixar as luzes de casa desligadas e maneira no uso do secador de cabelo, por exemplo, o bolso dos seus pais agradece e, quem sabe, não sobra dinheiro para aquela viagem em família.

A economia em casa também depende de você!Separamos algumas dicas e, para segui-las, você só vai precisar mudar um pouco seus hábitos. Quer ver?

Foto: FreePik

Economizando energia

Você sabia que a conta de energia elétrica agora é cobrada de maneira diferente? O preço passou a seguir uma “bandeira”, que vai desde verde ( que significa que o Brasil está produzindo muito e não estamos correndo risco de racionamento) até vermelha (que mostra que geral deve ficar alerta e economizar). 
Se você gasta menos, além de dar uma força na conta de luz no fim do mês, ainda ajuda o país e o meio ambiente. 
Segundo informações da CPFL, um dos itens que mais gasta energia elétrica é o chuveiro. Principalmente nos dias mais frios, que é quando todo mundo um banho quentinho e bem demorado. Ele pode representar até 35% do valor da conta! Por isso, a dica é: demore apenas o tempo necessário no banho e, sempre que possível, mude a válvula de temperatura e, ao invés de pelando-de-quente, opte pela temperatura pela morna.

– Lâmpadas:

A CPFL conta que até 25% do valor da conta de energia vem da iluminação de casa. Para acabar com o desperdício, a dica é bem simples. É só evitar ligar as luzes durante o dia e sempre desligar a luz ao deixar um cômodo.
-Equipamentos elétricos: 
Passar o dia todo na frente da televisão e do computador é bom. Mas, esses equipamentos colaboram – e muito – para que a conta venha mais alta no fim do mês. Por isso, tire esses equipamentos da tomada sempre que não estiver usando e não durma com a TV ligada.
– Geladeira: 
Quem nunca abriu a geladeira mesmo sem saber o que ia pegar, só para pensar na vida? Toda vez que abrimos esse eletrodoméstico, ele gasta ainda mais energia. Abra a geladeira somente quando for necessário e, sempre que o fizer, pegue todos os alimentos de uma única vez.

Agora que você já sabe como economizar, dá até para puxar a orelha do pessoal de casa de vez em quando.

Viagem #eufui – Balneário Camboriú

Foto: Odair da Rosa/ Reprodução Flickr

Balneário Camboriú é uma cidade que fica no norte do litoral de Santa Catarina. Lá, os turistas encontram nada menos do que 10 praias, como a da Central, da Laranejeira, do Buraco e a badalada praia do Estaleirinho.

Mas nem só de praia vive o Balneário! Outros passeis também fazem a cabeça da galera que passa por lá, como é o exemplo do rolê de teleférico e a trilha do Pico da Pedra, um lugar cheio de história.

+Saiba mais sobre Balneário Camboriú

Quem já passou alguns dias na cidade é a estudante de Engenharia Ambiental Izabella Olher. Agora, ela conta o que achou dessa viagem:  
Vista do teleférico/ Foto: Arquivo pessoal
“Em 2010, quando tinha 15 anos, eu e mais duas amigas fomos com os avós de uma delas para Balneário Camboriú, que fica em Santa Catarina. 

A fama de lá todo mundo já conhece, né? E realmente, eu achei o lugar bem bonito, com várias paisagens maravilhosas!  
Lá, nós andamos de bondinho, escuna pirata – nessa hora, uma das minhas amigas foi escolhida para ser a “donzela em perigo”, foi bem divertido! 
Foto: Iza e a amiga se tornaram parceiras dos piratas //Foto: Arquivo pessoal
Visitamos o shopping e passamos várias tardes na praia, que é um pouco diferente das praias do Estado de São Paulo, tanto no aspecto da areia quanto nas várias algas que a gente consegue ver no mar. Nos divertimos muito. 
Pegamos um dia com chuva e a cidade ficou com vários pontos de alagamento. Esse foi o momento mais tenso da viagem.
Eu recomendo super! É um lugar que vale a pena conhecer. Gostei da cidade, que tem bastante passeios e  lá as pessoas te tratam muito bem.” 

Namoro à distância: casais mostram que pode dar certo, sim!

O amor não mede a distância. Às vezes acontece do coração começar a bater mais forte por alguém que mora longe. Aí começa o drama: será que vale a pena levar o relacionamento adiante? E o pior: será que daria certo?

A equipe do Conexão Teen conversou com alguns casais que falaram sobre os benefícios do namoro à distância e provaram que namorar com alguém que mora longe dá certo, sim! #Inspiração!

Joyce Colombo mora em Bauru e seu namorado Rafael Dias em Limeira, ou seja, 220 quilômetros separam o casal. O relacionamento começou por conversas no Facebook e eles já estão juntos há 11 meses.

A estudante de arquitetura acha que ficar longe do namô até que faz bem: “Pelo fato de nos vermos pouco, a vontade de se ver aumenta, e isso é sempre uma viagem, uma preparação, coração acelerado, não é aquela rotina dos namoros convencionais. Evitamos brigar quando estamos juntos porque são momentos únicos e muito esperados”, afirma.

Quem também está na onda do namoro à distância é o Matheus José Prestes. Ele conheceu seu parceiro por meio da internet e hoje estão juntos há nove meses. A distância que divide os dois é de 200 quilômetros, mas isso não impede

que eles se vejam, pelo menos, uma vez por semana. “Como estudo em Bauru, muitas vezes nos encontramos por lá. Quando isso não é possível, vamos alternando as visitas um ao outro, mas sempre conservando a frequência semanal, onde passamos um dia completo juntos”, conta o estudante.

Será que Matheus prefere namorar à distância? A resposta é sim e não. Ele explica: “a relação à distância tem pontos positivos, pois ela se enriquece muito no diálogo. Não é apenas a atração física, mas o interesse pelo conteúdo da outra pessoa, algo que possa cativar e a cada reencontro é uma explosão de sentimento e saudade. Talvez, esse seja também o ponto negativo, pois muitas vezes, não é tão simples contar com aquele abraço acolhedor, ou, contar com o apoio ‘rápido’ da pessoa que você ama, dada essa distância.”

Quem também contou sobre seu namoro à distância foi a professora de inglês Ana Romani. Ela namora há um ano e o casal se vê todos os finais de semana e feriados prolongados.

Apesar do ciúme, a professora acredita que o namoro à distância tem suas vantagens. “Já namorei com pessoas da mesma cidade que eu, mas nunca deu certo. Namoro à distância é gostoso, pois conversamos todos os dias por mensagem ou na internet e ficamos com aquele frio na barriga, aquela ansiedade para que chegue logo o fim de semana para fazer as coisas que gostamos juntos. Aproveitamos mais o tempo, sem brigas ou discussões bobas”, finaliza.

Fotos: Arquivo pessoal